domingo, 16 de abril de 2017

O perseguido Rock'n' Roll como política externa -HistoryGuitar

E fora justamente com o perseguido Rock'n Roll dos negros dos anos 50, na expressão característica de "signo"de influência cultural norte-americana a partir da segunda metade dos anos 70 sendo usado como estratégia de política externa de Estado em um plano geopolítico estadunidense. Ou seja o Rock usado como propaganda da política externa dos Estados Unidos, sendo este instrumento musical - Guitarra  e o estilo musical Rock'n Roll os elementos indissociáveis e umas das principais características da indústria cultural deste país vinculado evidente ao modelo do modo de vida da sociedade de consumo norte americana a ser implementado então através de uma lógica mercadológica para se conquistar cada vez mais divisas econômicas, de influências políticas regionais e padronização sociais de consumo com vistas a ser ampliado globalmente principalmente durante a Guerra Fria.

Me lembro muito bem da MTV!(risos) Na sala de casa assistindo Dire Straits  com o clip Money for Nothing na tv, aliás onde se deu o nascimento da era dos Videos Clips curiosamente quando fui a primeira vez ao Mac Donalds! (risos) Como se sabe, com a queda do Muro de Berlim, a dissociação da URSS este processo ou melhor visto então como "show business" "negócio".

Aparentemente este negócio de gravadora não acabou com o advento da revolução digital ou por conta do mp3, do torrent piratebay, do youtube, do compartilhamento quase que compulsivo das pessoas em copiar conteúdo considerado como cópia ilegal infligindo direitos autorais, etc...Isso tudo é uma grande besteira como tantas outras besteiras de teorias conspiratórias que somos obrigados a engolir daquelas típicas de programa sensacionalista de canais pagos norte americano.

Esta alegação toda por parte da indústria fonográfica (hoje convertida em indústria do entretenimento) se deu por querer defender seu controle absoluto desde o vinil até o último 0 do bit de qualquer conteúdo que existe ou possa existir, ou seja a informação total ou seja a "tal" convergência móvel porém em todos os cantos porém com o pensamento único. Rapidamente conglomerados  se desassociam e se associam, o hit de hoje já não é mais o de amanhã, a velocidade da informação e como e onde ela se manifesta é que esta em disputa,  porém mantendo a prevalência do centro para a periferia mundial visto já ha algum tempo é uma poderosa indústria  e sua influência acaba sendo determinante para o que vai ou não ser "pop"  suprimindo as iniciativas, o que acarreta também alterações nas culturas regionais, nas formações sociais, todos em rede mas distantes mesmo que próximos com o olhar perdido em uma tela de celular em uma expressão sobrou "pouco espaço" ou fomos restringidos a um mínimo espaço. A muitos guitarristas nesse "Admirável Mundo Novo" Restou o único campo de ação possível restringido-se ao quarto da qual tristemente observo gravações e mais gravações que  tocam suas músicas com bandas de programas de computador. Onde estarão as incertezas, as dúvidas, as intuições, os espantos, as admirações , as necessidades , as outras pessoas, as contradições, os erros, os absurdos, as loucuras enfim aquilo que nos faz tão humanos?

  " It makes my wonder "
 
Acredito que dificilmente teremos outra chance de uma fase tão criativa quanto  foram os anos 60 para uma conjuntura destas impossível, talvez daí o rock pra mim ser tão especial, porque ele é como eu ou você. Ele é unico!! 

"When all are one and one is all, yeah

"To be a Rock and not to Roll "


Nenhum comentário:

Postar um comentário